Meu primeiro exit: o que aprendi nos 8 anos à frente do meuingresso.com

O ano de 2018 foi de muitas conquistas e experiências e não poderia terminar melhor: após longo período de negociação e transição, concluímos a venda do meuingresso.com para o grupo brasileiro EventMix. E resolvi contar um pouco mais sobre esses 8 anos de história, sobre esse filho que vi nascer e crescer, e sobre as lições que aprendi à frente da minha primeira startup.

Como tudo começou

Era 2011, trabalhava como desenvolvedor de software e havia fundado a Verticis Web Studio há um ano junto com o André Brunelli e o João Zica. Conheci também nessa época o Bruno Eustáquio, aspirante a empreendedor, borbulhando de ideias e também o experiente e inspirador Paulo Costa. Numa dessas conversas sobre como iríamos dominar o mundo, bem no auge da febre dos sites de compra coletiva no Brasil, tivemos a ideia de criar uma plataforma que pudesse oferecer ingressos online para eventos de entretenimento. Naquela época não existia nenhuma opção self-service que pudesse atender o setor de pequenos e médios produtores e enxergamos aí uma grande oportunidade e decidimos mergulhar de cabeça nessa empreitada.

Ainda no início de 2011, depois de algumas sessões de brainstorming e algum trabalho, já tínhamos nossa marca e alguns protótipos da plataforma: nascia o RockBee!

20190116 rockbee
Primeiro logotipo do RockBee, criado por mim em 2011

A primeira versão da plataforma foi lançada em julho de 2011, e rapidamente ganhamos espaço no mercado de eventos no Brasil.

Pivot, Wayra e meuingresso.com

Já no primeiro ano de operação, começamos a detectar um problema em nosso modelo de negócios, além de perceber uma grande necessidade do mercado: não existia naquela época uma plataforma self-service de venda de ingressos (EventBrite e outros players ainda não atuavam no mercado local). E, ainda em 2011, fomos selecionados entre mais de 500 startups no Brasil para sermos acelerados pela Wayra Brasil, aceleradora do grupo Telefónica.

Recebemos um aporte inicial e desenvolvemos uma nova versão da plataforma, que foi lançada em 2013, enquanto estávamos dentro da academia Wayra. Após 5 anos de operação, tínhamos um produto estável e ainda buscávamos uma forma de crescer ainda mais.

No início de 2016 realizamos uma pesquisa em nossa base de produtores e detectamos que talvez nossa marca, um nome em inglês e que não trazia uma ligação direta do produto ao nosso público, poderia ser um possível ponto de evolução. Decidimos então iniciar um processo árduo de rebranding e reposicionamento da marca. Fizemos vários estudos de mercado, brainstorms e após alguns meses de trabalho e negociações, lançamos o meuingresso.com:

20190116 branding
Branding do meuingresso.com

Tivemos um crescimento considerável, chegamos a operar eventos para mais de 15.000 pessoas. Em 2017 já havíamos movimentado R$4 milhões e já contávamos com uma base de mais de 100.000 usuários.

Crescimento, expectativas e futuro

Mesmo apresentando um crescimento sustentável e saudável, alguns pontos começaram a nos fazer considerar uma possível venda da plataforma. A rentabilidade agora já estava diretamente relacionada ao investimento em marketing e operações, e os problemas de logística cresciam (terceirização de equipamentos, contratação de pessoal de apoio). Eu, como CEO e responsável técnico, já não sentia mais que seria capaz de investir o esforço merecido para que o crescimento se mantivesse.

Além disso, após 7 anos à frente do projeto, existia o sentimento de estar negligenciando minha carreira como engenheiro e gerente de software, após ter passado os últimos 5 anos focando em trazer a melhor solução técnica para o projeto. No fundo, existia um grande sentimento de que não estava obtendo 100% do potencial do meuingresso.com.

Em 2017, recebi um convite para liderar um time de desenvolvedores Front-End em Berlin, cidade para onde o foco das grandes empresas de tecnologia e startups estava voltado. Acreditei que esse seria o momento e a oportunidade certos, e resolvi aceitar o desafio. Nesse período o meuingresso.com se manteve operando normalmente e eu continuei à frente de decisões técnicas e suporte em tempo reduzido.

Já em 2018, a força da marca meuingresso.com foi crescendo, e a demanda de um cuidado mais próximo aumentava. Por outro lado, as oportunidades de carreira e crescimento pessoal na Alemanha só se tornavam mais evidentes. Foi quando, em novembro de 2018, recebemos a proposta de aquisição pelo grupo brasileiro EventMix, responsável por grande parte dos maiores eventos no sul, e presente em diversas outras regiões do Brasil.

Após considerar vários fatores decidimos que a venda seria a melhor decisão para o projeto, que já estava perto dos 8 anos de idade. No fim de outubro iniciamos a transição, que foi concluída no início de janeiro de 2019. O grupo EventMix decidiu manter a marca meuingresso.com, a identidade visual e a operação sem alterações à princípio. O grupo ainda promete incluir várias melhorias nas ferramentas e no processo nos próximos meses.

Lições aprendidas

1) Execução e timing são chaves. Uma ideia tem seu valor perto de zero

Quando tivemos a ideia de lançar a ferramenta self-service, o Brasil era um mercado inexplorado, e nenhuma plataforma ainda havia sido lançada. Por alguns problemas organizacionais no início do nosso processo de aceleração e também devido à nossa inexperiência, demoramos mais tempo que o esperado para lançar a primeira versão da plataforma. Nesse tempo, outras startup apareceram no mercado, e isso teve um impacto grande em nossa estratégia de aquisição de mercado.

2) “Trust won’t save you from infidelity”

No início de nossa jornada, participávamos ativamente de eventos e fazíamos muitos contatos e parcerias. Isso nos trouxe excelentes oportunidades mas também alguns problemas. Tivemos um mentor no início do projeto que nos ajudou bastante, teve acesso a todo nosso planejamento, plano de negócio, planilhas. Mais tarde, recusou nossa oferta de equity como advisor e apareceu como investidor principal de uma startup concorrente. Nada que nos abalasse ou desmotivasse, mas nos serviu como um grande aprendizado.

Em um outro contexto, conhecemos também um famoso investidor brasileiro, fundador de um dos maiores e-commerces nacionais. Ele se tornou um contato próximo, e sempre fazia promessas de investimentos futuros e parcerias, mas nada concreto. Com o tempo se tornou um amigo pessoal, ligava inclusive no aniversário e em ocasiões especiais. Até que em certo momento, me fez a proposta que todo empreendedor gostaria de ouvir: eu atuaria como CTO de um de seus projetos, desenvolveria sua plataforma, e receberia U$3.000,00 mensais, e ainda poderia continuar atendendo às demandas do meuingresso.com (na época RockBee). Aceitei a proposta, e começamos o projeto.

Foi um tempo bem difícil de jornada dupla. Em 9 meses, a plataforma estava pronta e em produção. Porém, os pagamentos nunca foram realizados como prometido. Após a conclusão do projeto, a amizade do início foi desaparecendo, e as desculpas para não realizar o pagamento iam variando. Até que em certo momentos todos os meus contatos já não era mais respondidos, fui bloqueado em todas as suas redes sociais e ele desapareceu, deixando uma dívida de U$14.000,00.

A lição aqui é bem clara: pedir ajuda, ter mentores, fazer parcerias e participar de eventos é sim muito importante. Mas desconfie sempre. Peça sempre a assinatura de NDAs antes de compartilhar qualquer informação de seu negócio. Documente tudo, faça pequenas contratos, mesmo que informais.

3) Vida pessoal ao empreender

O sonho de empreender é uma das coisas mais fascinantes que já vivi na vida. Aquela sensação de se estar muito perto de algo grandioso, de que a qualquer momento uma virada inesperada irá acontecer. E é esse sentimento que nos faz acreditar que todo esforço vale a pena, inclusive o de sacrificar alguns aspectos de sua vida pessoal, acreditando que será um “esforço temporário” e altamente recompensado. Hoje vejo que mesmo que esse tempo seja mesmo curto e devidamente recompensado, esse sacrifício não vale a pena. Dormir boas noites de sono, ter merecidos tempos de lazer e estar perto da família e amigos é algo que certamente vai impactar diretamente no sucesso de sua jornada!

Futuro

Hoje trabalho como Engineering Lead e CTO num dos mercados de desenvolvimento de software mais proeminentes da europa, envolvido diretamente com o desenvolvimento de startups e novos negócios. E assim começa 2019, encerrando um ciclo cheio de crescimento, aprendizado e uma história de muita gratidão!

Vida longa à “abelha do rock”!

🎉 🎸 🚀 🐝 ️️❤️